Notícias

Sucesso na temporada de concertos Pró-Cultura - RS

  • 01 Setembro 2017

Estudantes e professores da rede pública constituíram o principal público atingido. A Orquestra Jovem Recanto Maestro (OJRM) realizou a “Temporada de Concertos Orquestra Jovem Recanto Maestro”, desenvolvida com o apoio do Governo do Estado do Rio Grande do Sul através do edital “Juntos Pela Cultura”, do Pró-Cultura RS. Ao total, a temporada apresentou 6 concertos no anfiteatro da Antonio Meneghetti Faculdade (AMF), abertos a comunidade, sempre com a presença de alunos de escolas das redes municipal e estadual de ensino dos municípios da Quarta Colônia de Imigração. Os concertos ocorreram nos dias em 21 outubro de 2016, e, no ano de 2017, em 22 de fevereiro, 12 de abril, 10 de maio, 30 e 31 de agosto. 

A proposta para a realização desses recitais era a de, além do conteúdo musical e do caráter didático e explicativo presente em todas as ocasiões, trazer um convidado que pudesse mostrar também novos pontos de vista, em um momento de diálogo expositivo entre o trabalho realizado pela Orquestra Jovem Recanto Maestro e outras experiências. Esse tipo de momento enriquece culturalmente a região e contribui para o aprimoramento do trabalho realizado no projeto da Fundação Antonio Meneghetti e da Associação OntoArte. Michael Penna, coordenador da Orquestra Jovem, explica a importância do concerto para as crianças: “para muitas delas, é o primeiro contato com a música de orquestra, com instrumentos de orquestra, e esse primeiro contato ter sido feito também com crianças tocando é muito importante. 

Também a forma como os concertos são feitos, permitindo a interação e o aprendizado de noções básicas dos elementos que compõem a música, como ritmo, harmonia, altura, intensidade e timbre. Do ponto de vista social, os concertos também mostram para as crianças que é possível o contato com outro tipo de cultura, o acesso a isto, que é acessível, e muitos deles percebem que é possível buscar uma cultura de melhor qualidade, levar essa música para casa, quebrando o estereótipo de que música de orquestra é algo restrito, para poucas pessoas. Desse modo, contribui-se para a formação de plateia”. 

Para concluir, Penna, que também é pai, acrescenta como introduz a música na vida da própria família: “eu levo, na medida do possível, meus filhos para espetáculos de música, teatro e balé. Muitas vezes existe a ideia de que a criança não sabe apreciar o concerto, mas é uma questão de costume, de cultura. Com esse contato, a criança só tem a ganhar, porque vê na música, desde cedo, a música como algo agradável e como elemento formativo”. Os concertos também funcionaram como parte da ampliação da Orquestra Jovem Recanto Maestro. As escolas convidadas estão em funcionamento em municípios nos quais a OJRM está começando as suas atividades, então as exibições oportunizaram às crianças o primeiro contato com o projeto que eles, em um futuro próximo, podem vir a fazer parte.

A Diretora da Escola Estadual de Educação Básica João XXIII, de São João do Polêsine, Elaine Binotto Fagan, comenta como esse tipo de concerto e como o Projeto Orquestra Jovem Recanto Maestro contribui com os alunos do colégio: “Eu penso que a música é tudo na vida, principalmente, da criança, pois é desde pequeno que a sensibilização começa, e através da música acontece esse despertar. A música exige várias habilidades, como atenção e concentração, tanto para se tocar quanto para ouvir, então se as crianças começam desde cedo a participar de concertos e de orquestras, coisas que o Recanto Maestro oferece, elas se tornam adultos muito mais sensíveis, atuantes e com uma aprendizagem muito superior, pois a música, além de tudo, desenvolve raciocínio e concentração. E nos vemos isso claramente aqui na escola: as nossas crianças que participam da orquestra são muito mais disciplinadas também aqui na escola, e têm uma visão diferenciada para disciplina, organização, o próprio ato de ouvir e a comunicação também. Outro ponto que eu considero importante é como isso “puxa” para o mundo real, pois hoje todos estão muito ligados em celular e computador, e a música, a orquestra, nos ajuda justamente a despertá-los para esse grande mundo que existe fora dessas caixas e dessas telas”. 

A Temporada de Concertos, inclusive, cativou um aluno a participar do projeto. Fábio Ferreira, da escola pública de Ensino Fundamental e Médio Santos Reis, do município da Agudo, começou a aprender violino por conta do concerto que assistiu no anfiteatro da AMF: “Eu lembro que o concerto foi muito legal. Todo mundo estava tocando muito bem, e eu gostei muito da música. Também achei muito legal ver crianças, como eu, tocando. E eu queria ver o Professor Michael, que já tinha vindo aqui na minha escola conversar sobre a orquestra, e também queria ver os meus amigos da escola que já tocavam”. 

A Professora Fabrícia Sônego, que leciona na Escola Municipal de Ensino Fundamental Leonor Pires de Macedo, de Restinga Sêca, foi mais uma das pessoas que destacou a relevância da música e da “Temporada de Concertos” para os alunos: “eu percebi que naquele momento, em que os alunos foram ouvir aquele concerto se entusiasmaram para usar a música em tudo na vida deles. E isso é algo que nós já percebíamos nos alunos da nossa escola que a música faz parte da rotina deles, e também por isso o concerto foi muito bom. A partir daquele concerto, os alunos se identificaram com o projeto, e o período no qual ele aconteceu foi ótimo também, pois foi logo após a nossa escolar entrar no projeto da Orquestra Jovem, e isso só fortificou esse processo. Hoje, vemos outros concertos da Orquestra e percebemos a evolução, pois os concertos estão cada vez mais bonitos, cada vez melhores, e o mais legal é ver os nossos alunos tocando, pois, às vezes, vemos aquele aluno que não consegue parar em sala de aula, que conversa, que não fica quieto, se apresentando, tocando música clássica, e isso nos encanta. A música ajuda e muito na concentração, no foco, na disciplina, e o comportamento vai mudando. Acho que não apenas aquele concerto, mas toda a vivência com a música que eles vêm tendo está sendo muito importante. Nós, como professores, ficamos envaidecidos e incrédulos de como, em tão pouco tempo, eles já estão tocando tão bem”. 

A “Temporada de Concertos” foi também aberta à comunidade em geral, contando com o comparecimento principalmente dos moradores do distrito Recanto Maestro. Um deles foi Darla Vargas, estudante de Pedagogia. Segundo ela, os concertos da temporada foram muito proveitosos, principalmente pelo desenvolvimento que a música provoca no ser humano. “Eu acho muito importante o trabalho que a Orquestra faz. É um trabalho benéfico para mim, também para a atividade desempenhada no meu curso, de Pedagogia, além dos benefícios para as crianças, sejam as que tocam ou as que assistem os concertos. A música estimula muito a criatividade e a inteligência do ser humano e, na minha opinião, nós costumamos estar em uma zona de conforto muito grande, e, nesse contexto, a criatividade é “sabotada”, é obstruída, principalmente por conta da internet e das demais modernidades. Para mim, a maior importância da música é justamente esse estímulo à criatividade e inteligência”. 

A Temporada de Concertos realizada com o apoio do Edital Juntos Pela Cultura do Pró-Cultura RS fez parte do calendário de apresentações da OJRM. Com convites de prefeituras municipais e da iniciativa privada, os espetáculos musicais ocorrem com regularidade, seja no Recanto Maestro, sede da OJRM, ou em cidades próximas.

Estudantes e professores da rede pública constituíram o principal público atingido. A Orquestra Jovem Recanto Maestro (OJRM) realizou a “Temporada de Concertos Orquestra Jovem Recanto Maestro”, desenvolvida com o apoio do Governo do Estado do Rio Grande do Sul através do edital “Juntos Pela Cultura”, do Pró-Cultura RS. Ao total, a temporada apresentou 6 concertos no anfiteatro da Antonio Meneghetti Faculdade (AMF), abertos a comunidade, sempre com a presença de alunos de escolas das redes municipal e estadual de ensino dos municípios da Quarta Colônia de Imigração. Os concertos ocorreram nos dias em 21 outubro de 2016, e, no ano de 2017, em 22 de fevereiro, 12 de abril, 10 de maio, 30 e 31 de agosto. 


A proposta para a realização desses recitais era a de, além do conteúdo musical e do caráter didático e explicativo presente em todas as ocasiões, trazer um convidado que pudesse mostrar também novos pontos de vista, em um momento de diálogo expositivo entre o trabalho realizado pela Orquestra Jovem Recanto Maestro e outras experiências. Esse tipo de momento enriquece culturalmente a região e contribui para o aprimoramento do trabalho realizado no projeto da Fundação Antonio Meneghetti e da Associação OntoArte. Michael Penna, coordenador da Orquestra Jovem, explica a importância do concerto para as crianças: “para muitas delas, é o primeiro contato com a música de orquestra, com instrumentos de orquestra, e esse primeiro contato ter sido feito também com crianças tocando é muito importante. 

Também a forma como os concertos são feitos, permitindo a interação e o aprendizado de noções básicas dos elementos que compõem a música, como ritmo, harmonia, altura, intensidade e timbre. Do ponto de vista social, os concertos também mostram para as crianças que é possível o contato com outro tipo de cultura, o acesso a isto, que é acessível, e muitos deles percebem que é possível buscar uma cultura de melhor qualidade, levar essa música para casa, quebrando o estereótipo de que música de orquestra é algo restrito, para poucas pessoas. Desse modo, contribui-se para a formação de plateia”. 

Para concluir, Penna, que também é pai, acrescenta como introduz a música na vida da própria família: “eu levo, na medida do possível, meus filhos para espetáculos de música, teatro e balé. Muitas vezes existe a ideia de que a criança não sabe apreciar o concerto, mas é uma questão de costume, de cultura. Com esse contato, a criança só tem a ganhar, porque vê na música, desde cedo, a música como algo agradável e como elemento formativo”. Os concertos também funcionaram como parte da ampliação da Orquestra Jovem Recanto Maestro. As escolas convidadas estão em funcionamento em municípios nos quais a OJRM está começando as suas atividades, então as exibições oportunizaram às crianças o primeiro contato com o projeto que eles, em um futuro próximo, podem vir a fazer parte. 

A Diretora da Escola Estadual de Educação Básica João XXIII, de São João do Polêsine, Elaine Binotto Fagan, comenta como esse tipo de concerto e como o Projeto Orquestra Jovem Recanto Maestro contribui com os alunos do colégio: “Eu penso que a música é tudo na vida, principalmente, da criança, pois é desde pequeno que a sensibilização começa, e através da música acontece esse despertar. A música exige várias habilidades, como atenção e concentração, tanto para se tocar quanto para ouvir, então se as crianças começam desde cedo a participar de concertos e de orquestras, coisas que o Recanto Maestro oferece, elas se tornam adultos muito mais sensíveis, atuantes e com uma aprendizagem muito superior, pois a música, além de tudo, desenvolve raciocínio e concentração. E nos vemos isso claramente aqui na escola: as nossas crianças que participam da orquestra são muito mais disciplinadas também aqui na escola, e têm uma visão diferenciada para disciplina, organização, o próprio ato de ouvir e a comunicação também. Outro ponto que eu considero importante é como isso “puxa” para o mundo real, pois hoje todos estão muito ligados em celular e computador, e a música, a orquestra, nos ajuda justamente a despertá-los para esse grande mundo que existe fora dessas caixas e dessas telas”. 

A Temporada de Concertos, inclusive, cativou um aluno a participar do projeto. Fábio Ferreira, da escola pública de Ensino Fundamental e Médio Santos Reis, do município da Agudo, começou a aprender violino por conta do concerto que assistiu no anfiteatro da AMF: “Eu lembro que o concerto foi muito legal. Todo mundo estava tocando muito bem, e eu gostei muito da música. Também achei muito legal ver crianças, como eu, tocando. E eu queria ver o Professor Michael, que já tinha vindo aqui na minha escola conversar sobre a orquestra, e também queria ver os meus amigos da escola que já tocavam”. 

A Professora Fabrícia Sônego, que leciona na Escola Municipal de Ensino Fundamental Leonor Pires de Macedo, de Restinga Sêca, foi mais uma das pessoas que destacou a relevância da música e da “Temporada de Concertos” para os alunos: “eu percebi que naquele momento, em que os alunos foram ouvir aquele concerto se entusiasmaram para usar a música em tudo na vida deles. E isso é algo que nós já percebíamos nos alunos da nossa escola que a música faz parte da rotina deles, e também por isso o concerto foi muito bom. A partir daquele concerto, os alunos se identificaram com o projeto, e o período no qual ele aconteceu foi ótimo também, pois foi logo após a nossa escolar entrar no projeto da Orquestra Jovem, e isso só fortificou esse processo. Hoje, vemos outros concertos da Orquestra e percebemos a evolução, pois os concertos estão cada vez mais bonitos, cada vez melhores, e o mais legal é ver os nossos alunos tocando, pois, às vezes, vemos aquele aluno que não consegue parar em sala de aula, que conversa, que não fica quieto, se apresentando, tocando música clássica, e isso nos encanta. A música ajuda e muito na concentração, no foco, na disciplina, e o comportamento vai mudando. Acho que não apenas aquele concerto, mas toda a vivência com a música que eles vêm tendo está sendo muito importante. Nós, como professores, ficamos envaidecidos e incrédulos de como, em tão pouco tempo, eles já estão tocando tão bem”. 

A “Temporada de Concertos” foi também aberta à comunidade em geral, contando com o comparecimento principalmente dos moradores do distrito Recanto Maestro. Um deles foi Darla Vargas, estudante de Pedagogia. Segundo ela, os concertos da temporada foram muito proveitosos, principalmente pelo desenvolvimento que a música provoca no ser humano. “Eu acho muito importante o trabalho que a Orquestra faz. É um trabalho benéfico para mim, também para a atividade desempenhada no meu curso, de Pedagogia, além dos benefícios para as crianças, sejam as que tocam ou as que assistem os concertos. A música estimula muito a criatividade e a inteligência do ser humano e, na minha opinião, nós costumamos estar em uma zona de conforto muito grande, e, nesse contexto, a criatividade é “sabotada”, é obstruída, principalmente por conta da internet e das demais modernidades. Para mim, a maior importância da música é justamente esse estímulo à criatividade e inteligência”. 

A Temporada de Concertos realizada com o apoio do Edital Juntos Pela Cultura do Pró-Cultura RS fez parte do calendário de apresentações da OJRM. Com convites de prefeituras municipais e da iniciativa privada, os espetáculos musicais ocorrem com regularidade, seja no Recanto Maestro, sede da OJRM, ou em cidades próximas.